A Suíça, conhecida pelos seus relógios de grifes "belos e pontualíssimos", por seus queijos e fondue maravilhosos e pela forma ordeira com que seus habitantes exercem sua cidadania, não é da mesma forma conhecida pelos seus vinhos e uvas com a notoriedade de outros países da Europa. Mas os suíços cada vez mais apreciam e acreditam que seus vinhos são compatíveis com os estrangeiros. Isso é o que revelou uma pesquisa encomendada pelos produtores de vinhos organizados da Suíça em 1999, que repetida em 2004 mostrou grande progressão nos resultados, sinalizando um substancial aumento na credibilidade dos suíços em seus vinhos. 

O que vem acontecendo nos vinhedos suíços é o mesmo que já acontece há algum tempo nos grandes países produtores da Europa e do novo mundo, uma redução na quantidade produzida, em detrimento da qualidade, um dos fatores determinantes para a qualidade final do vinho. Mas numa coisa eles são constantes: a ordem e uniformidade estética que imprimem em tudo que fazem, está retratada na condução de seus parreirais que chamam a atenção pela beleza paisagística e qualidade das plantas e cachos. Impressa ver a beleza dos vinhedos em Satigny, cantão de Genebra, em que boa parte das terras é destinada as culturas agrícolas, incluindo os vinhedos. 

A beleza e a qualidade dos vinhedos suíços podem ser vistas neste Satigny, em GenebraA aldeia de Bourdigny, mostra uma paisagem de cartão postal, com vinhedos conduzidos em sistema de espaldeira, ainda com as uvas tintas das castas Pinot Noir por colher, já no ponto de maturação fenólica e com níveis de açúcar e acidez ideais. Dentre as uvas brancas,a Chasselas ou Chasselas Blanc, é a casta que faz mais sucesso, produzindo um vinho branco refrescante de qualidade que varia entre aceitável a muito bom. Além desta peculiar variedade, as demais cepas utilizadas são as francesas internacionais: Merlot, Cabernet Sauvignon e Sauvignon Blanc, que crescem muito bem em solo suíço. No dia 09 de novembro, 05 dos melhores rótulos desta casta estarão sendo provados às cegas por um grupo (já fechado) com o objetivo de encontrar a melhor preço/prazer entre os vinhos. A horizontal (degustação de vinhos distintos de uma mesma cepa e safra) acontecerá no Restaurante Sabor e Arte do Hotel Manary, com o auxílio do grupo baquianas e será sucedida por um jantar de frutos do mar. Estes rótulos já poderão ser encontrados em Natal.


Tribuna do Norte
Foto: Divulgação
O vinho italiano Moresco IGT é o escolhido pela Maison des Caves para mais uma degustação gratuita para clientes. Boutique oficial de adegas, vinhos e acessórios da Art des Caves, a Maison recebe seus convidados neste sábado (22), das 13h às 21h, na loja do ParkShopping Barigüi.



Produzido nas Colinas Fiorentinas, na região da Toscana, o Moresco IGT é um vinho tinto de coloração vermelho rubi intenso, com perfume floral (flores secas), frutado e com um toque de especiarias. A safra de 2003 surpreende com seu paladar refinado, intenso, fresco, encorpado e com um leve sabor de Tanino. O vinho pode ser harmonizado com assados nobres, queijos de sabor picante e carnes vermelhas.

Sobre a Maison des Caves  - Na Maison des Caves, boutique de vinhos, adegas e acessórios da Art des Caves, você encontra tudo o que o universo da enologia pode oferecer. São centenas de rótulos de diversas vinícolas do mundo, uma vasta carta de vinhos, taças e acessórios de importação  exclusiva, mais de 27 modelos de adegas, em madeira e metal, que combinam com os mais diferentes estilos, além de climatizações de ambientes feitas sob medida para sua residência ou comércio. Tudo isso com atendimento personalizado e todo o conforto que você merece.


Paranashop


O espumante brasileiro estará em destaque no mais importante evento de vinhos do mundo, o Wine Future 2011, que acontece de 6 a 8 de novembro, em Hong Kong. Pela primeira vez, um rótulo do Brasil será apresentado na degustação conduzida por Jancis Robinson, uma das mais prestigiadas críticas de vinho do planeta. Ela incluiu o Cave Geisse Brut 1998 (em garrafa Magnum, fotos em anexo), elaborado por Mario Geisse em Pinto Bandeira, na Serra Gaúcha, na degustação “Além de Bordeaux”, quando apresentará a 1.000 ouvintes rótulos de 15 países que merecem mais atenção. “Os vinhos selecionados são de alta qualidade, vindos de alguns tradicionais produtores e também de mercados emergentes como Brasil, Turquia e China”, diz ela. 

O projeto Wines of Brasil, realizado em parceria entre o Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex–Brasil), ainda levará cinco vinícolas brasileiras para o Wine Future. Aurora, Lidio Carraro, Geisse, Miolo e Salton estarão presentes com seus vinhos e espumantes, que poderão ser degustados pelos participantes do Wine Future nos intervalos das conferências.

O Wine Future 2011 reunirá as principais personalidades do mundo do vinho, como Robert Parker, Francis Ford Coppola, Gary Vaynerchuk, Miguel Torres, Michel Rolland, Angelo Gaja, entre outros, para discutir e apontar as tendências mundiais do mercado. A última edição do Wine Future, organizado pela The Wine Academy of Spain, ocorreu em 2009, em La Rioja, na Espanha.

Outros eventos
Antes do Wine Future, de 3 a 5 de novembro, o Wines of Brasil montará um estande coletivo com cinco vinícolas para a Hong Kong International Wine Fair. Com exceção da Miolo, que já possui importador em Hong Kong, as outras quatro empresas presentes – Aurora, Basso, Lidio Carraro e Salton – buscarão representantes e distribuidores para a Ásia. A participação do Wines of Brasil conta com o apoio da Embaixada do Brasil em Hong Kong, do Ministério das Relações Exteriores e da Apex-Brasil.

Nos dias 1º e 2 de novembro, o Wines of Brasil também estará presente no 2º Internacionais Sparkling Wine Symposium, que acontecerá no Denbies Wine Estate em Surrey, nos arredores de Londres. O evento vai reunir enólogos, produtores, comerciantes, compradores e jornalistas de todo o mundo em um fórum internacional de dois dias para compartilhar experiências em produção e promoção de espumantes. O enólogo Mario Geisse, da vinícola Geisse, de Pinto Bandeira (RS), falará sobre os espumantes brasileiros.

Confira os 15 vinhos que serão apresentados por Jancis Robinson no Wine Future Hong Kong 2011:

1. Brazil – Geisse Brut 1998 in magnum
2. Australia – Shaw and Smith – M3 Chardonnay 2010 Adelaide Hills
3. Germany – Dr. Loosen, Erdener Treppchen Riesling Kabinett 2008 Mosel
4. Austria – Jurtschitsch, Schenkenbichl Grüner Veltliner Reserve Erste Lage 2009 Kamptal
5. Turkey – Kavaklidere, Prestige Öküzgözü 2008 Elazig
6. NZ – Felton Road, Cornish Point Vineyard 2010 Central Otago
7. Burgundy – Louis Jadot, Clos St Jacques Premier Cru 1990 Gevrey Chambertin
8. Piemonte – Gaja 2008 Barbaresco
9. Toscana – Antinori, Tignanello 2001 Toscana
10. China – Grace Vineyard, Tasya’s Reserve Cabernet Sauvignon 2008 Shanxi
11. Chile – Almaviva 2005 Puente Alto
12. South Africa – Vergelegen 2000 Stellenbosch
13. Argentina – Catena Zapata Catena Alta Malbec 2000 Mendoza
14. Rhône – Tardieu Laurent, Cuvée Spéciale 2006 Châteauneuf-du-Pape
15. California – Ridge Monte Bello 1995

Nota de degustação de Jancis Robinson sobre o espumante Cave Geisse Brut 1998

Magnum, recentemente chegado do Brasil. Que revelação! De um dourado profundo. Bela evolução olfativa - brioche embebido no café com leite - porém sem exagero. Perlage com borbulhas muito delicadas. Profundo, delicioso paladar com notas bastante evoluídas de vegetação, cobre e de fortunela. Muito persistente. Um dos mais impressionantes espumantes que me chegaram em muito tempo! Nota: 18,5/20 (Jancis Robinson).


Reportagem Diario Pernambucano