Os vinhos dos suíços

A Suíça, conhecida pelos seus relógios de grifes "belos e pontualíssimos", por seus queijos e fondue maravilhosos e pela forma ordeira com que seus habitantes exercem sua cidadania, não é da mesma forma conhecida pelos seus vinhos e uvas com a notoriedade de outros países da Europa. Mas os suíços cada vez mais apreciam e acreditam que seus vinhos são compatíveis com os estrangeiros. Isso é o que revelou uma pesquisa encomendada pelos produtores de vinhos organizados da Suíça em 1999, que repetida em 2004 mostrou grande progressão nos resultados, sinalizando um substancial aumento na credibilidade dos suíços em seus vinhos. 

O que vem acontecendo nos vinhedos suíços é o mesmo que já acontece há algum tempo nos grandes países produtores da Europa e do novo mundo, uma redução na quantidade produzida, em detrimento da qualidade, um dos fatores determinantes para a qualidade final do vinho. Mas numa coisa eles são constantes: a ordem e uniformidade estética que imprimem em tudo que fazem, está retratada na condução de seus parreirais que chamam a atenção pela beleza paisagística e qualidade das plantas e cachos. Impressa ver a beleza dos vinhedos em Satigny, cantão de Genebra, em que boa parte das terras é destinada as culturas agrícolas, incluindo os vinhedos. 

A beleza e a qualidade dos vinhedos suíços podem ser vistas neste Satigny, em GenebraA aldeia de Bourdigny, mostra uma paisagem de cartão postal, com vinhedos conduzidos em sistema de espaldeira, ainda com as uvas tintas das castas Pinot Noir por colher, já no ponto de maturação fenólica e com níveis de açúcar e acidez ideais. Dentre as uvas brancas,a Chasselas ou Chasselas Blanc, é a casta que faz mais sucesso, produzindo um vinho branco refrescante de qualidade que varia entre aceitável a muito bom. Além desta peculiar variedade, as demais cepas utilizadas são as francesas internacionais: Merlot, Cabernet Sauvignon e Sauvignon Blanc, que crescem muito bem em solo suíço. No dia 09 de novembro, 05 dos melhores rótulos desta casta estarão sendo provados às cegas por um grupo (já fechado) com o objetivo de encontrar a melhor preço/prazer entre os vinhos. A horizontal (degustação de vinhos distintos de uma mesma cepa e safra) acontecerá no Restaurante Sabor e Arte do Hotel Manary, com o auxílio do grupo baquianas e será sucedida por um jantar de frutos do mar. Estes rótulos já poderão ser encontrados em Natal.


Tribuna do Norte
Foto: Divulgação
.