Realmente o que disseram a respeito se confirmou e vale muuuuuuuuito mais que o preço!!

Em cada gota. Excepcional. Melhor custo X benefício dos últimos tempos, com certeza.

Pela internet, entregue em casa, duas garrafas, por apenas R$ 50!!! Ao abrir, os aromas já tomam conta do ambiente. No nariz, baunilha, baunilha, baunilha.

Na boca, leve, equilibrado, pouco adstringente e muito longo. Um mix de doces e salgado, além da sensação de defumado. Preponderam as castanhas, com aspectos adocicados e pertinentes de caramelo e baunilha. Acidez controladíssima.


Realmente muito bom.


Não vejo a hora de comprar mais umas garrafas.


Boas festas e bons vinhos!!



Este Consecha Tarapacá Chileno é um dos brancos que me dispertou atenção: levemente mineral, florado e muito cristalino. Muito fácil de beber em dias quentes, deve cair muito bem com peixes e aves leves.

Sauvignon Blanc safra 2012. Preço? Bagatela de R$ 18,00 em Florianópolis.


- Posted using BlogPress from my iPhone



Picante, florado e mineral, estes são meus adjetivos para este Português. O Varanda do Conde é muito interessante, um corte 2011 das uvas brancas Alvarinho e Trajadura.

Minha primeira vez com este corte, muito interessante por aer bem distinto dos Brancos Sul Americanos. E vamos em frente com o Projeto Verão de Brancos, Espumantes e Frisantes!

E para não perdermos o costume vai a dica: Por apenas R$ 31,00 nos supermercados Hippo de Floripa!


- Posted using BlogPress from my iPhone



A frase "Vem chegando o verão (...)" da Marina nos relembra do início de férias, praia, cerveja gelada, com aquele cheiro do mar misturado com protetor solar. É o verão em sua melhor forma! Mas antes da estação preferida do brasileiro chegar, seria prudente experimentar e selecionar ótimas bebidas para que o sacar de rolhas seja um enorme prazer. Vamos experimentar as melhores pedidas de brancos, frisantes e espumantes!

Iniciei os trabalhos com o corte Dona Dominga de Chardonnay e Semillon, safra 2011. Este vinho chileno é picante, sedoso e leve! Acompanhou muito bem sobrecoxas de frango assadas ao olho de limão e leve mistura de pimentas moídas pretas e vermelhas.

Indico! Colchagua Valley, safra 2011, 85% Chardonnay e 15% Semillon. Um achado abaixo de R$ 25,00 em Floripa.

- Posted using BlogPress from my iPhone



Acabamos de sair de uma degustação no Carvalho Francês, uma excelente adega na SC-401 em Florianópolis (norte da ilha).

Apreciamos bons vinhos do Chile e Argentina, onde ao final da degustação você leva uma taça de brinde, e ainda pode selecionar na adega excelentes vinhos com descontos de R$ 20,00 por garrafa quando comprar uma caixa com 6 unidades.

Tiket médio dos vinhos entre R$ 35,00 a R$ 80,00 com o desconto. Sendo que existem preciosidades bem acima deste patamar. Vale conferir!

- Posted using BlogPress from my iPhone

Location:Rua Germano Wendhausen,Florianópolis,Brazil


Enfim o resultado em vídeo da matéria "Aproveite ao máximo uma garrafa de vinho!". Só que esta luminária levou praticamente um ano para ser construída, sendo 6 meses para achar a broca em Florianópolis, depois um tempo para fazer a furação com acabamento, e no final achar as luzinhas de Natal.


 O resultado é uma luminária bem diferente e bonita que você poderá fazer sem grande complicações e utilizar no período natalino ou mesmo como uma peça para colocar em uma mesa ou canto de sala... Bem, daí a criatividade agora é contigo. Mão na massa!

Como fazer:
- 1 garrafa de espumante ou vinho;
- 1 broca para vidro (só dura para 1 garrafa);
- furadeira de velocidade variável, configurada na posição sem impacto;
- luzes de natal (as que piscam são melhores pois minimizam a geração de calor);
- ponteira de lixamento para furadeira (acabamento do furo);

Mão na massa:
- secar a garrafa
- furar devagar na parte de trás da garrafa utilizando óculos de proteção
- usar a ponteira de lixamento para dar acabamento no furo
- inserir as luzes pelo furo atrás da garrafa
- ligar as luzes na programação piscar

Custos:
- Vinho ou Espumante;
- Broca R$ 16,00
- Ponteira de Lixamento R$ 25,00
- Luzes Piscantes: R$ 19,90
Total: R$ 60,90 (fora o vinho ou espumante)





Este Chardonnay 2010 do Valle Del Maule no Chile é espetacular. O Toro de Pietra Gran Reserva é perfumado com buque de amêndoas e baunilha, e bem controlado no adocicado, que chega a se pronunciar, mas logo é tomado pela leve madeira... Uma delícia, você vai descobrindo as nuancias a cada "trago", e ressalto que minha esposa Ká aprovou, e quando ela aprova é porque realmente é bom! Vai dar hit!

13,5% de álcool, safra 2010. R$ 39,90 na rede Wal Mart de Floripa.

- Posted using BlogPress from my iPhone

 

 Vinho e música, tudo ver!! Um bom vinho e uma boa música não tem como dar errado.

Na Itália, na região de Frassina, uma experiência interessante com o uso de música na plantação de parreiras, tem trazido bons resultados. Tudo começou com apenas  12 caixas acústicas e hoje possui mais de 80.

Na região da Toscana, onde se produz um dos vinhos mais famosos do mundo, o Brunello di Montalcino, a plantação de uvas reage muito bem ao repertório clássico de Mozart. O homem que sonorizou o campo, Giancarlo Cignozzi, deixou a profissão de advogado há 12 anos e investiu na produção de bons vinhos desde então. Em uma viagem à Amazônia, quando estava em uma aldeia, quando um pajé disse que a minha vida seria feita de vinho e música”, disse Giancarlo.
Durante 24 horas por dia os vinhedos crescem com a música de Mozart e as composições escolhidas usam sempre os mesmos instrumentos, cordas e piano, mais suaves, para não estressar as plantas. Neste sentido, um engenheiro agrônomo afirma que o uso da música ajuda a afastar insetos ou parasitas. 

O professor Stefano Mancuso, pesquisador da inteligência das plantas na Universidade de Florença, explica que a vibração da música estimula a produção de polifenóis, substâncias responsáveis pelo gosto agradável, e que dão ao vinho aquela característica saudável se consumido em pequenas doses.

O produtor de 50 mil garrafas por ano acredita que o cultivo musical pode ser uma forma sustentável para o futuro, e que não faz diferença para os cachos ouvir uma sinfonia de Mozart ou um sambinha, desde que seja suave.


Fonte: Globo



Os italianos que chegam aqui em Florianópolis estão decepcionando. E este Montepulciano não foi o primeiro e certamente não será o último que provo nesta situação.

Este Montepulciano da região de Abruzzo, um DOC, não apresenta nada de especial, é um vinho plano. Basicamente indico para acompanhar refeições no dia a dia.

- Posted using BlogPress from my iPhone



Este velho conhecido está com preço muito bom, um Espanhol da região de Utiel-Requena 2008 produzido com as uvas Tempranilo que oferece um ótimo preço x qualidade. O Marques Del Turia é uma boa pedida para acompanhar um almoço ou jantar entre amigos!

R$ 23,50 no Supermercado Hippo de Florianópolis.

- Posted using BlogPress from my iPhone
Quase um bilhão de pessoas em todo o mundo não têm acesso à água potável e 2,5 bilhões de pessoas hoje não têm acesso a saneamento básico. Wine to Water é uma organização sem fins lucrativos que reúne fundos desde 2004 no mundo do vinho para lutar contra este flagelo. O dinheiro ajudou a fornecer água potável e saneamento em muitos países, incluindo o Sudão, Índia, Camboja, Uganda, Etiópia e Haiti.

Doc Hendley, fundador da Wine to Water estabeleceu agora, parceria com a Winery Montesquieu e com o famoso enólogo Michel Rolland, para produzir no magnifíco terroir da região de Stellenbosch na África do Sul, o vinho Bonne Nouvelle. Em cada garrafa vendida será cobrada o valor de R$ 20,00 que irá fornecer água limpa a uma família na Etiópia.


Fiz esta receita e ficou muito bom. Recomendo.

  Foto Rogério Voltan
Tempo de preparo 1 h
Rendimento 1 fôrma média de furo no meio (15 Fatias)

Ingredientes

Bolo
240 g de manteiga;
240 g de açúcar;
4 ovos;
300 ml de vinho tinto;
240 g de farinha de trigo
peneirada;
1 pitada de noz-moscada;
1 pitada de canela em pó;
2 colheres (sopa) de cacau em pó;
1 colher (sopa) cheia de fermento
químico;
130 g de chocolate amargo ralado.

 

Calda
100 ml de água;
60 g de açúcar;
250 ml de vinho tinto.

Modo de fazer

Bolo
1 Pique a manteiga e espere até que ela atinja a temperatura ambiente. leve-a à batedeira junto com o açúcar e misture até obter uma pasta lisa.
2 Adicione os ovos e continue batendo para que a massa fique homogênea.
3 Acrescente o vinho tinto, misturando levemente com um batedor manual.
4 Junte a farinha peneirada e bata até obter uma massa lisa.
5 Adicione as especiarias, o cacau e o fermento de uma vez só, batendo tudo à mão. E acrescente o chocolate ralado.
6 Despeje a massa numa fôrma média de furo no meio e leve ao forno a 170 °c /180 °c por aproximadamente 1 hora. Atenção: seja religioso com a temperatura. Quando o bolo é alto e com furo no meio, ele demora mais tempo para assar, e o forno quente demais acaba queimando a parte de cima.

Calda
1 Em uma panela, aqueça a água e o açúcar, misturando até ficar homogêneo.
2 Desligue o fogo e adicione o vinho. Espere até atingir a temperatura ambiente.
3 Jogue a calda no bolo ainda morno e deixe esfriar para servir. 


Fonte: Revista Casa e Jardim



Este Português da região de Lisboa, Quinta de Bons-Ventos foi um dos melhorez vinhos que comprei neste ano. As frutas vermelhas sobresaem no buque e palato. Acidez super controlada, e uma coloração rubi impressionante! 13% de álcool, por uma bagatela de R$ 22,90 no Supermercado Comper próximo à UFSC, em Florianópolis.

E quanto ao corte? Uvas tradicionais da terra de Pedro Vaz: Castelão, Camarate, Tinta Miúda e Touriga Nacional. Vale cada taça!

- Posted using BlogPress from my iPhone

Como postado, os vinhos do hemisfério sul têm sido bem cotados desde as últimas safras, o que tem conferido mais reconhecimento internacional. Não é diferente com a Nova Zelândia. Com destaque recente no enomundo, pouco mais de vinte anos, os vinhos deste país tem grande frescor, características frutadas e equilibrados, sendo fáceis de beber. Isso tem chamado a atenção de vários mercados.

Devido a este aumento nas exportações nos últimos anos, hoje o país ocupa o 10º lugar em exportação de vinhos finos, mesmo participando somente com cerca de 1% da produção mundial. Para os próximos anos, os produtores prevêm aumento pois, a área plantada vem aumentando progressivamente.


A Bollinger, uma das grandes casas de Champagne, passou a utilizar barris de carvalho usados, com mais de 20 anos, para a fermentação de toda a linha de seus champagnes, argumentando que são melhores para as trocas de ar do líquido com o ambiente externo, o que incentiva a oxidação de elementos indesejáveis na composição dos espumantes.

O chef de cave da vinícola, Mathieu Kauffman, afirma que "a fermentação ocorrida em barris de carvalho antigos  pode extrair as características da madeira, porém em menor quantidade, o que é extremamente importante para a elaboração dos champagnes da vinícola."

Este procedimento contraria completamente as afirmações de que um barril de carvalho após cinco ou seis anos de uso perde totalmente sua capacidade de imprimir sabor ao vinho armazenado nele.

Fonte: CBN
 


Um estudo recente realizado por um pesquisador da Universidade de Florença, Itália, demonstrou que as abelhas e as vespas podem influenciar na produção de vinhos. O pesquisador Duccio Cavalieri, e curiosamente pertencente a uma família produtora de vinhos na região de Toscana, descobriu que a presença destes insetos nas plantações principalmente no verão, ao contrário do que se pensava, pode influenciar no terroir dos vinhos da região, pois estes voadores tem a capacidade de armazenar em seus estômagos a levedura Saccharomyces cerevisiae ao morderem o fruto, podendo esta levedura ser transmitida a outros frutos, iniciando uma pré-fermentação destas ainda no pé. O pesquisador acredita ainda que este possa ser um dos principais determinantes das características dos vinhos da região da Toscana.



Nesta ano, os países do hemisfério sul sairam na frente dos vizinhos de cima. Dentre os países da zona sul, a Austrália já anunciou que a safra 2012 será uma das melhores dos últimos 20 anos. Mesmo os produtores de regiões mais quentes estão apostando na qualidade neste ano. 

Diferente são os primos europeus, que neste ano estão com as colheitas atrasadas devido ao clima, que não cooperou muito. Com isso, a qualidade fica comprometida e quantidade reduzida.

Vamos conferir os Australianos!

Por cerca de R$ 25,00 (expectativa), o tinto espanhol Toro Loco Tempranillo 2011, da região de Utiel-Requena, próxima da cidade de Valencia, chega ao Brasil após ser premiado com a prata em sua categoria na última Competição Internacional de Vinhos e Destilados do Reino Unido, desbancando concorrentes que custavam nada menos que 10x mais. Na Grã-Bretanha ele já é vendido por cerca de 3,59 libras (algo em torno de R$ 12,00 e vem despertado grande interesse dos curiosos do mundo do vinho, e indica-se que seja consumido jovem, aproveitando a safra recente.

Vamos conferir!



A vinícola argentina Casa Bianchi acaba de lançar na Argentina e na Espanha a linha de vinhos denominada "Leo", em homenagem ao craque do futebol, Lionel Messi. Contando com quatro rótulos, um branco, dois malbecs e um espumante extra Brut, os vinhos vão de categorias desde os 33 pesos (cerca de R$ 15,00) até 70 pesos (aproximadamente R$ 35,00) respectivamente.

A vinícola promete lançar em breve em outros países e informa que esta linha tem um cunho social , sendo que uma porcentagem do for arrecadado com as vendas será repassada para os projetos sociais da Fundação Lionel Messi.
Foto 

Com a chegada da Fernanda, fomos agraciados pelos amigos Mick e Daniel com um especial Fuligni 2007, Brunello di Montalcino. Ficamos anciosos por uns 10 dias, pois a Mick nos ligou falando que nos presentearia com este vinhaço, mas que precisamos coincidir as agendas e que eu teria que cozinhar. 

Enfim, conseguimos e foi um sucesso. Para isso, foi para a cozinha e preparei um risoto de calabresa com cerveja preta, só para tentar ficar no nível.

Vamos ao que interessa.
Como Brasília está mais frio nesta época do ano, somente deixamos o vinho ao tempo para que estivesse na temperatura ambiete para ser degustado. Já ao abrir a garrafa, os aromas tomaram conta do ambiente. Refrescante definiria melhor estes aromas.

No copo, um vinho bem escuro, mas pouco denso e oleoso. 
No nariz, os aromas foram melhor se desenhando, tendendo às frutas tropicais, mamão e laranja. Com um pouco mais de tempo no copo, aromas vegetais também surgiram, lembrando folhas verdes rasgadas. Muito álcool.
Na boca, pouco tânico, macio e longo. Ao final foi possível perceber notas ligeiramente ácidas e minerais. Equilibrado, porém com álcool persistente.

A harmonização com o prato foi muito acertada. Equilíbrio com o embutido e a cerveja, permitindo que o vinho fosse bem explorado.

Porém, nesta noite, queríamos um vinho um pouco mais encorpado e marcante e esperávamos isso deste Brunello. O preço dele foi cerca de 70 euros e concluimos que não valeu. Quem sabe em outro momento ele nos pareça melhor!?!?!?

Estamos prontos para novos Brunellos e em breve, quem sabe, novas postagens aqui no blog.

Boa semana e bons vinhos!!


 

Para quem gosta e pode aproveitar oportunidades de boas aquisições, a adega do cultuado restaurante espanhol El Bulli será leiloada pela casa britânica de leilões Sotheby’s. 

A cerca de 150 quilômetros ao norte de Barcelona, o restaurante encerrou suas atividades  recentemente, após 12 anos de funcionamento. Mas há fortes indícios de que reabrirá em 2014 com outro formato: o de uma Fundação sem fins lucrativos direcionada a amantes da alta gastronomia. 

Com nada menos que 139 páginas, a carta de vinhos contém mais de 1.600 referências, entre elas grandes exemplares da Borgonha e Piemonte, vinhos californianos, raros Jerez e ícones espanhóis, como o Vega Sicilia Único. 

O vinho mais caro da adega é um Romanée-Conti 1999, que era vendido a US$ 8.400. O leilão ainda não teve local e data revelados.

Fonte: CBN


Após o frenesi dos preços dos vinhos Premier Cru, causado pela alta demanda asiática por vinhos da região. Conforme a  Liv-Ex, a bolsa europeia especializada em vinhos, as vendas no primeiro semestre deste ano tiveram uma queda de 6%, enquanto outras regiões estão crescendo aproveitando-se desta situação sem precedentes nas duas últimas décadas pelo menos. Alguns châteaux de Bordeaux já estão sentindo a baixa do mercado e ajustando seus preços para baixo para recuperar as vendas. 

Vamos acompanhar.