Não é o Menem e seus familiares, tampouco os Kirchner - são os Brandsen. Na minha opinião este último é o melhor vinho de trabalho, mesa, ou melhor - pau para toda obra.

O Malbec 2012 da Brandsen, bodega Argentina, é o exemplo de um vinho equilibrado para acompanhar as refeições. Deixe a Coca-Cola e Guaraná de lado e venha para o mundo do Vinho.

Este exemplar é atipicamente muito bem projetado. Cor rubi bem intensa, sem aparentar corantes, e na boca traz um belo fundo de frutas vermelhas sem o toque da "tintura artificial" que alguns vinhos da terra dos Kichner têm trazido neste patamar de preço.



O vinho sai por R$ 19,90 em Florianópolis o que é um preço razoável para sua personalidade. Beba com moderação, e jante com moderação, pois ele mesmo sendo um Malbec com TA de 13,5%, que deveria ser bem mais potente, vai te embalar taça a taça pela sua leveza.


O visual apresenta linda cor de Lima da Pérsia, e sem sedosidade aparente na taça. Já na boca traz picantes taninos (bem delicados devo ressaltar), posteriormente um leve frutado misto de flores e no final uma boa e leve pegada mineral. É um vinho jovem, um Chardonnay 2014 do Valle Central Chileno, talvez por isso traga esta característica mineral, mas mesmo assim minha impressão é que esta leveza, sutileza supreende. A última vez que me supreendi com vinho branco foi há uns 3 anos atrás em uma prova de vinhos Portugueses no hotel Majestic aqui em Florianópolis.

De todo modo fica o aprendizado: este Chileno é o primeiro Branco digno de nota que provo, e ainda que todo branco diferente (fora os rótulos tradicionais de supermercado) de Portugal vale ser testado, um dia você acha um extremamente mineral que é outra categoria de Brancos. Saúde.

Este aqui sai por R$ 19,00 em Florianópolis apenas, vale a pena correr e guardar alguns para o verão... Como sempre terrmos falta de tudo em Floripa com as férias!


Alguns colegas dizem que não gosto de nenhum vinho Brasileiro. Na verdade é impressão. Me desculpem, alguns brancos, espumantes e rosés escapam do meu chauvinismo.

Este Rosé Malbec é um exemplo que me surpreendeu. O Don Guerino me trouxe esperança que o pessoal do Rio Grande do Sul compreenda que com aquele solo e clima, a saída são os Brancos, Espumantes e Rosés. Tintos? De boa qualidade são exceção.

Vamos ao Rosé. Apresenta visual rosado com tons levemente amarelados e grande sedosidade. Nas sensações aromáticas é extremamente floral mas sem enjoar. E no paladar puxa levemente os taninos - beliscando a língua - e o aroma floral se transforma em frutas vermelhas. Um enorme prazer.



Custa ao redor de R$ 19,00 nos supermercados de Florianópolis. Agora tenho de provar um tinto da Don Guerino e ver se estou completamente errado, ou se é apenas chauvinismo herdado do Paulo Francis.

Visitem o site da Don Guerino...




... isso mesmo, no teto do seu refrigerador. Uma startup Americana se propôs a resolver um problema simples: guardar cerveja em uma geladeira desorganizada e lotada.


Qual a abordagem dos gênios das garrafas? A mais simples, e sempre genial de solucionar os problemas de modo simples. Usaram um anteparo que é adesivado na geladeira, e que no lado oposto tem um "super imã" que segura as tampinhas das garrafas.
Gostou da ideia? O produto ainda não está pronto, mas você pode investir e se tornar "sócio" destes caras!

Visite o projeto no Kickstarter...




O Real Lavrador traz cor rubi intensa e grande sedosidade, este é o primeiro impacto na taça. No paladar traz gosto muito forte de frutas vermelhas, e taninos bem vivos da madeira. É um vinho de mesa daquela região, corte com predomínio da uva regional Castelão e TA 12,5.

Vale como um vinho para acompanhar carnes vermelhas, massas com molho de carne e imagino que até com pratos de caça. Mas não pensem que é muito adstringente, é na medida certa.

Sai ao redor de R$ 20,00 em Florianópolis.



Durante rápida visita a trabalho ao Chile pude provar um vinho que saia do tradicional Concha y Toro ou Santa Helena que nos é apresentada.

No hotel pedi o Errazuriz, um vinho que trazia um rótulo muito parecido com um Santa Helena... Bem, ocorre que este Chileno não tinha nada a ver com os "planos" Santa Helena ou Concha y Toro citados anteriormente. Este "State Wine", que leva uva de duas localidades distintas, neste caso a região de Maipo e o Aconcagua Valleys, trouxe um espetáculo sensorial.

No visual a cor rubi salta aos olhos, e o buque traz o primeiro contato com frutas vermelhas. Já no paladar, ele compete muito com vinhos dos novos continentes - Austrália e Estados Unidos da América - por ser um vinho frutado, potente e que causa uma explosão de sentidos. Segundo meu ponto de vista se enquadra bem como um vinho "porrada", ou para apreciar durante um evento - antes, durante e depois do jantar.

Este chileno é produzido com Carbernet Sauvignon, safra 2012 com o tradicional 13,5 TA. Vale a pedida aqui em Santiago do Chile, ou onde puderem encontrar.

Mais sobre este vinho, direto com a bodega...


Vamos iniciar a descrição desta cerveja de modo bem independente... Não sei, a Klein Irish Stout é bem complexa gostaria de opinião do leitor.

Apresenta espuma persistente, espessa e com bolinhas pequenas e médias na minoria. No olfato apresenta buque bem azedo, e no paladar amargos tons da torra do malte e novamente a sensação azeda com sem toques adocicados. Algo não estava muito certo.

Bem, troquei de copo, aliás, peguei uma outra taça para experimentar... O buque ficou mais suave pois a espuma estava até o topo, mas momentos depois o "azedo" retornou quando a espuma baixou. No paladar os tons amargos ficaram acima dos tons de café. Não sei, acho que esta cerveja merece um acompanhamento diferenciado, uma carne de panela com molho e muita graxa (gordura) para combinar.

Estou indeciso, esta Klein Irish Stout com TA 5,6% de Campo Largo no Paraná não lembra em nada as clássicas Irish Stout que já bebi, e vocês?


Cor dourada com grande turbidez, espuma densa com bolhas pequenas no topo e maiores no contato com o corpo da cerveja. O sabor é amarguinho do malte e lúpulo, toques de cereais de pão e levemente adocicada. Paro por aqui na descrição deste lote de nossa cerveja, acho que outros deveriam fazê-lo, assim fica mais imparcial... Quem se habilita?




Falando um pouco mais sobre este lote e a leve maturação do "priming" na garrafa (carbonatação), podemos dizer que 3 semanas após o prazo "da receita internacional" ela ficou no ponto - carbonatação perfeita e sem o estufamento que tradicionalmente as caseiras geram. Usamos melaço de cana na carbonatação desta Belgian Blond Ale, e na degustação 7 dias após o envase praticamente espuma residual foi formada... Vivendo e aprendendo para quem sabe um dia levar até vocês leitores uma cerveja equilibrada, gostosa, saborosa e com o diferencial dos pequenos detalhes que fazem toda diferença...

Começando os trabalhos com almoço no restaurante Gutes Essen bem próximo aos pavilhões da PROEB em Blumenau. O melhor é forrar o estômago pois mais tarde todos os Chopps deverão ser testados.

Neste restaurante, que fica na em Blumenau na Rua Marechal Deodoro, 202, telefone +55-47-3329-0691, são servidos pratos tradicionais da região (Alemãos) e Brasileiros. Portanto é uma boa pedida para quem ainda não provou, e também para quem é apreciador voraz como eu. 

Dica: O recheio do Marreco é praticamente melhor que o Marreco.


Chegando na Oktoberfest em Blumenau temos de tirar uma foto de turista para entrar no clima. Afinal, já eram quase 3:30 e ainda estávamos bem sóbrios, diferentemente de todos que lá já embalavam as canções típicas!

Dica: quando ouvir "Tic tac tic tac" grite junto "hoi hoi hoi", erga o caneco e beba. Saúde.


Nesta edição da Oktoberfest, a qualidade e os preços estavam realmente convidativos. As principais cervejarias da região e Brasil capricharam no visual dos quiosques e variedade de cervejas. Em outras edições, como por exemplo 1998, o preço era bem melhor, mas no mercado só existiam Skol e Brahma Chopp.


Especial destaque em minha opinião para a American Red Ale da Bierland, com gosto muito forte de Lúpulo (quase uma IPA) e bem forte. Este era o mais caro e saia 400ml de Chopp por R$ 8,00. 



Os chopps Eisenbahn estavam quase todos lá, mas pessoalmente achei que estavam meio "aguados". Pode parecer estranho, mas foi a percepção. E fechando a respeito desta cervejaria, os sabores que não estavam em chopp, estavam em garrafa, portanto, tudo lá!



A AMBEV me deixou de boca aberta. Primeiro o atendimento, perguntei quais tinham e o senhor lá me deu quase uma aula - óbvio que ouvi tudo - mas no final perguntei das minhas preferidas: Weiss, Confraria e Bohemia Escura. Na primeira rodada fui na Confraria, posteriormente perguntei sobre a Bohemia Imperial pois nunca havia visto no supermercado, apenas a Bohemia que todos conhecemos. Resultado: que baita cerveja com sabor de malte. Muito superior aquela Bohemia meio boca de garrafinha... Aproveitem.


Agora a festa já estava embalando...  Uns 4 chopps no organismo e a música típica já empolgava. Infelizmente o teor alcoólico e atenção às fotografias me impediram de anotar, ou decorar que banda era esta... Mas fica aqui o link para a programação daquela horário "estimado" - umas 15:30...


Impressionante os metais desta big band, e inclusive a cantora principal que intercalava com os metais...


Esta banda veio direto da Alemanha, só sei disto. Já havia encontrado algumas destas figuras durante a Copa lá mesmo em Blumenau antes de um jogo decisivo daqueles - não foi contra o Brasil - e torci pela Alemanha a partir da surra que levamos.


Não jogue uma pedra, jogue um chopp.


Voz e metais cantando tanto músicas folclóricas Alemãs como sucessos internacionais em ritmo Alemão.


 Este aqui saiu do filme do Harry Potter...


Esse tio só falava Alemão com o pessoal da plateia que ia lá brincar com ele a todo instante...  Eu não fui.

Aqui uma vista mais ampla da big band Alemã. Quem nunca ouviu, pegue um chopp, outro, depois siga em frente até o quarto. Daí "prosit", tais preparado.


To be continued...



Espumante ao chegar no copo (pint) com cor café escuro, em segundos a espuma sobe, criando um creme no topo, cor tostada na base, visivelmente densa. No paladar é amarga na medida, refrescância muito leve do lúpulo, mas com notas de café e toffe. Esta é Guinness, nada mais, nada menos. A cerveja escura mais famosa do mundo.

No Brasil a lata desta Stout Irlandesa sai ao redor de R$ 11,00 a R$ 15,00. Acima disso é abuso. Traz TA de 4,2. Saúde!





É Diabólica mas não é o Cão. A primeira coisa que sobressai nesta IPA é o a cor caramelo da bebida, a espuma creme escura, e depois o buquê dos lúpulos. Já no paladar o amargor também do lúpulo puxa bastante para uma IPA britânica, bem como a Diabólica diz ter buscado inspiração, porém, but, esta cervejamestá um pouco salgada no preço para a sua categoria...

Algumas Britânicas mais sofisticadas (IPA) podem ser encontradas em Florianópolis ao redor de R$ 15 a garrafa de 600ml. Esta Diabólica, com TA 6,66% sai por R$ 13 a garrafa de 355ml. É muito boa, mas neste preço vai vender pouco - R$ 6,66 tava de bom tamanho.



Os únicos locais disponíveis às pessoas que desejarem assistir o evento são em frente ao Colégio Bom Jesus e nas imediações da Catedral São Paulo Apóstolo
A rua XV de Novembro em Blumenau recebeu o desfile de abertura da 31ª Oktoberfest , que começou a partir das 19h30min. Quase todos os locais disponíveis nas calçadas ficaram ocupados por famílias e grupos de amigos, muitos vestindo trajes típicos. O trânsito ficou intenso em ruas como as ruas Sete de Setembro e Avenida Beira Rio.

::: Confira os principais motivos para ir à 31ª Oktoberfest
::: Curta a página do Santa no Facebook
::: Oktoberfest oferece mais de 30 cervejas para degustar

Os últimos locais disponíveis às pessoas que desejarem assistir o evento foram em frente ao Colégio Bom Jesus e nas imediações da Catedral São Paulo Apóstolo. A assessoria de comunicação do evento garantiu que três mil pessoas desfilaram pela rua, com 94 atrações.

Os brinquedos do Planetapéia não participaram deste desfile que tem a duração de cerca de 1h30min. Todos os grupos fazem parte de um rodízio. A Planetapéia está confirmada para as próximas datas. O próximo desfile é no dia 11/10.

Após as 22h, acontece a cerimônia de abertura com a sangria do primeiro barril de chope da festa. Diferentemente das edições anteriores, esse ano a solenidade acontece no Setor 3 do Parque Vila Germânica, onde foi montada uma estrutura mais completa e inovadora para a ocasião. Várias autoridades já confirmaram presença, entre elas o Ministro do Turismo Vinícius Lages, o governador Raimundo Colombo, além do Prefeito de Blumenau Napoleão Bernardes.

Utilize a hashtag #oktoberblumenau
As fotos que forem postadas no Instagram com a hashtag #oktoberblumenau serão divulgadas instantaneamente no site do Jornal de Santa Catarina. A estratégia foi pensada para reunir os melhores momentos da festa através do olhar do leitor. A hashtag faz parte da cobertura especial preparada pelo jornal para a festa.

* Matéria do Diário Catarinense


É Semana da Cerveja, temos a Oktoberfest ocorrendo aqui em Blumenau, então vamos falar delas ao longo da semana... Esta Imperial Stout é simples de definir: gostosa. Esta moreninha da cervejaria Bierland é um espetáculo, ou de cinema como se diz aqui na Ilha de Santa Catarina. Durante a degustação, cheirando e bebendo ao mesmo tempo, e depois misturando levemente no céu da boca, vem a tona o sabor do malte torrado com a fragrância dos lúpulos. No visual ressalta-se a cor de café e a persistente espuma creme escura, que depois te leva ao fundo torrado de café e caramelo.

A Imperial Stout está saindo por R$ 11,90 nos supermercados Angeloni de Florianópolis. Traz TA de 8,2. Cuidado e Saúde!



Nunca achei que poderia existir uma cerveja que puxasse para a pimenta sem ser "aditivada". Nesta Fullers o sabor da iguaria sobressai juntamente com a refrescancia dos lúpulos, e confere experiência diferenciada nesta IPA que apresenta cor caramelada escura, espuma creme-claro persistente, e com fundo muito característico deste tipo - frescor de mato.

Reflito que esta IPA é muito bem acertada e ganha das Nacionais devido a pouca, ou nenhuma aparência do açúcar residual, o que confere um toque seco bem interessante.




Uma última impressão no final da garrafa é o azedo do puro malte bem pronunciado. Espetáculo.

Esta Britânica sai por R$ 39,00 na Lighthouse Café de Florianópolis, apresenta TA de 5,3%, e é uma cerveja para meditação. Indico muito, vale a degustação.








Gerard Depardieu, traz à tona a gravidade do abuso de álcool que muitas vezes em nossa sociedade é confundida com o termo de “excêntrico”. Mesmo sendo “proprietário” de 5 pontes de safena e com 65 anos de idade, o Francês admite que nos dias em que está aborrecido abre um Champagne no café da manhã, acompanhado de outra após o desjejum, seguido de duas garrafas de vinho tinto para o apetite e acaba por derrubar 14 garrafas ao longo do dia...



Espero que nenhum leitor da Bebideria, ou seus amigos, parentes e conhecidos estejam nesta condição. Espero que os que estejam, possam contar com amigos e companheiros para auxiliar a identificar e resolver esta condição. É fácil notar como o excesso, não apenas de álcool ressalto, pode acabar com uma pessoa – basta ver o antes e depois.



Que esporte combina mais com cerveja? Futebol? Ledo engano. É o Rugby, eleito o segundo esporte com maior audiência mundial depois do nosso conhecido futebol. Portanto, reservamos uma matéria para falar do esporte que mais cresce no Brasil e que estreia nas Olimpíadas do Rio de Janeiro em 2016, e que termina sempre em uma boa cervejada... Seja após os treinos, ou mesmo uma acirrada competição. Saúde!

Mas quem são nossos principais competidores neste esporte com regras "estranhas" - onde vale chutar a bola para frente, lançar a bola com as mãos para o lado e quase todo tipo de agressão física que não trocação propriamente dita de porrada? Vamos iniciar a análise dos competidores e suas cervejas preferidas pela Argentina... Onde inclusive perdemos de 83 a 0 no ano passado. Não é mole, veja o vídeo clicando aqui. Mas vamos lá!

ARGENTINA - LOS PUMAS


Este é o grande time a ser batido. Não que seja o melhor do Mundo, mas é a Argentina e dela não podemos perder! Infelizmente é um time forte e que dá trabalho, quando não ganha dos principais times mundiais do esporte. Ave.



AUSTRÁLIA - WALLABIES



Este time faz parte da elite mundial e atualmente está em terceiro lugar no ranking da IRB (o organismo mundial que rege o esporte). Devido a grande tradição, certamente os que acompanharão os jogos de Rugby nas Olimpíadas poderão ao menos ver um time de verde e amarelo dando show, e talvez perdendo do arqui inimigo All Blacks...

Quando o assunto é cerveja os caras são fogo. Provei diversas excelentes cervejas de grande fábricas, micro-cervejarias e até as artesanais quando estava no Kangoroo Valley e proximidades. Veredicto: praticamente quase todas eram excelentes "biras". Especial destaque para a cervejaria industrial Coopers que traz diversos tipos de sabor e qualidade, e em volume de vendas emplaca a Original Pale Ale. Esta pode ser encontrada no Brasil, embora a preço proibitivo.



NOVA ZELÂNDIA - ALL BLACKS



O time deste país é intitulado de "All Blacks" e é o atual campeão da liga Internacional, e o grande nome a ser batido nas Olimpíadas. Tem como grande rival a Africa do Sul. Sua principal característica é a dança "Haka" que pode ser vista no vídeo abaixo, e que costuma intimidar os oponentes. Para saber mais, clique aqui e acesse a página do Wikipédia.



Com a cerveja a Nova Zelândia também impressiona, pois é um dos países que mais consome cerveja no mundo. Para se ter ideia, a cerveja equivale a 63% do consumo de bebidas alcoólicas e o consumo per capita é de 75,5 litros por pessoa /ano. A mais famosa segundo pesquisa na internet é a DB Breweries Export Gold, e as melhores de todas são as Emerson´s - especificamente a IPA 1812...



Esta aqui bebi na Austrália, e digo que não achei muita coisa não... É melhor que Skol de todo modo.


A cervejaria DB traz uma propaganda muito engraçada sobre a briga da Cerveja e Vinho naquele país...



Site da DB Export, clique aqui.

Site da Emerson´s, clique aqui.


AFRICA DO SUL - SPRINGBOK


Não tem muito para falar desse time. São casca grossa e parte da elite mundial. Simplesmente assistam ao filme Invictus de Clint Eastwood com Matt Damon e Morgan Freeman, e vejam como a garra do Afrikaner é, e o quanto gostam de uma cerveja depois das provas e treinos. Veio daqui a inspiração para esta matéria.


Quando o assunto é cerveja a coisa complica. O gosto Sul Africano recai em cervejas Belgas e Britânicas, ou seja, cervejas de extrema personalidade e potência. A expoente é a Chimay Bleue, uma Trappist Belga comercializada no Brasil próximo dos R$ 30 a garrafa, depois vem a Gouden Carolus Cuvee Van De Keizer Blauw/Blue  - Belgian Strong Ale - também Belga e que nunca vi no Brasil, e finalmente a Escocesa BrewDog / Nøgne Ø / Mikkeller Black Tokyo* Horizon - Imperial Stout.








INGLATERRA - ENGLAND


Como todo esporte que eles criam, são bons mas não o bastante para serem os melhores. Porém certamente aqui diferente do Futebol, levaremos aquela surra.

Mas falando de cerveja, aí sim os Bretões se saem bem. Segundo Beer Advocate, a cerveja mais apreciada por lá é a Old Chimneys - Good King Henry. A cervejaria é tocada pelo simpático Alan Thompson que teve diversas cervejas elogiadas e premiadas pela crítica britânica. Quem for por aquelas bandas pode trazer umas na mala e enviar uma para nos aqui na Bebideria - ficaremos gratos.

Website da Old Chimneys, clique aqui.



Para saber mais...

Mais sobre o Rugby? Matéria bacana do Diário Catarinense, afinal os melhores vem daqui!

Federação Brasileira de Rugby, clique aqui...

Federação Internacional de Rugby, clique aqui...
Uma receita interessante para quem gosta de carne de porco, onde inclusive o molho cai muito bem com outras carnes, em especial a Maminha (feita no forno ou churrasqueira). A seguir o passo a passo com fotos do preparo sem segredo deste prato Fuzz.


Cortar os filés suínos em bifes grossos, deixar marinar no suco de uma laranja, previamente adicionando tempero alho e sal em cada um deles - pimenta do reino a gosto.


Em frigideira pequena, adicione manteiga e os champignons cortados. Frite com margarina levemente e reserve. Na mesma frigideira, adicione o vinagre até cobrir o fundo, e um pouco mais. Reduza o vinagre adicionando açúcar mascavo (4 colheres), ou melaço de cana (o que usei), depois que ferver, adicione os champignons, misture e apague.

Em paralelo, pegue os picotes de laranja e ferva três vezes em água, jogando fora a água sucessivamente (ou no microondas 5 vezes para tirar o amargor excessivo), em seguida pegue os picotes e adicione ao molho reduzido, e acenda até ferver e vá mexendo até ficar mais "sólido". Junte o restante ou parte do suco de marinada com mais uma colher de açúcar de margarina e ascenda o fogo novamente caso queira mais sabor de laranja.

Os filés: remova-os para fritar reservando o suco, e frite até o ponto certo - nada de mal passado. Posteriomente coloque os filés depois regue com o molho reduzido e sirva.


Enquanto isso tudo, abri uma Alemã aqui de Forquilinha em Santa Catarina, a Hefe Weizen de trigo que traz uma leve tostada no malte, conferindo suave doce e tonalidade de ouro escuro. É possível notar um fundo de bananas nesta cerveja. TA de 5,5 e ao preço de R$ 11,90 em Florianópolis no supermercado.

INGREDIENTES:
  • 1/2 Kg de Filé Suíno
  • 100 g de cogumelos frescos
  • Vinagre Balsâmico
  • 1 Laranja
  • Melado de Cana
  • Margarina
  • Tempero alho e sal
  • Pimenta do reino
  • Batatas ao forno para acompanhar