Vinho italiano evita o envelhecimento

Os vinhos, sobretudo os tintos, são ricos em polifenóis, que são potentes antioxidantes, ou seja, "varredores" de radicais livres. São eles os principais responsáveis pela ação anti-idade dos vinhos. Por isso, é fácil entender porque as pessoas com mais de 60 anos que têm o hábito regular de beber até duas taças de vinho durante as refeições envelhecem com melhor qualidade de vida.


O colágeno e a elastina são substâncias que dão consistência e elasticidade à pele; a colagenase e a elastase são enzimas que destroem o colágeno e a elastina, respectivamente, fazendo com que a mesma fique menos elástica. Os polifenóis do vinho bloqueiam a ação da colagenase e da elastase e, também, melhoram a microcirculação e a hidratação.

Antocianinas

As antocianinas, substâncias naturalmente encontradas nas cascas das uvas, são pigmentos de coloração azul, vermelha e violeta, responsáveis pela grande variedade de cores de frutas, flores e folhas. As antocianinas protegem e estimulam a renovação dos tecidos ricos em colágeno, que garante a firmeza e a elasticidade da pele e das paredes das artérias.

Estudos clínicos comprovam: as antocianinas protegem a pele contra o envelhecimento 

Um estudo conduzido em 2013 pela Universidade de Medicina de Chung Shan, Taiwan, e publicado na revista internacional Pharmaceutical Biology, demonstrou que as antocianinas reduzem as manchas na pele causadas pela radiação solar e reverte o aspecto de pele envelhecida.

Outro estudo realizado em 2013 pela Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade de Bangkok, Tailândia, e publicado no renomado jornal internacional BMC Complementary and Alternative Medicine, apontou que as antocianinas apresentam potente ação antiglicante, ou seja, impedem que o excesso de açúcar no sangue degrade o colágeno, acelerando o processo de envelhecimento cutâneo.

Fontes de antocianinas

A uva é a fruta onde essas substâncias são mais encontradas, porém a quantidade e a composição das antocianinas diferem de acordo com a espécie, variedade e forma de cultivo.

Lambrusco e Ancellotta: as uvas mais ricas em antocianinas

A uva Lambrusco é uma notável variedade, originária de uma região da Itália, com sabor indiscutível, que dá origem a vinhos preciosos e que pode conter até 1,9 gramas de antocianinas por quilo da fruta. Já a uva Ancellotta, outra variedade originária da mesma região da Itália, cujo sabor é levemente doce, pode conter até 2,3 gramas de antocianinas por quilo da fruta.

Em julho de 2013, na cidade de Fraiburgo, em Santa Catarina, foi realizado o Encontro Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado, onde foi citado um estudo que tinha como objetivo caracterizar os teores de antocianinas de variedades de uvas viníferas italianas em São Joaquim (SC). As variedades Ancellotta e Lambrusco se destacaram com elevado teor de antocianinas, no entanto, esses valores são baixos quando comparados com os obtidos em suas respectivas regiões de origem italiana.

Fonte: SEGS
.