Esta foi a decepção da Páscoa. Que cerveja sem graça. Vou tentar perder um pouco de nosso tempo para que não sejamos logrados, e para que os produtores deste tipo de cerveja entendam algumas coisas de vez...  A Bierdosen é um grande exemplo da atualidade Brasileira. Muitos acham que seguir receitas consagradas, ou a Lei de Pureza Alemã, ou mesmo misturar Caju, ou seja a fruta que for na cerveja garantirá um bom resultado, e que por conseguinte um preço alto pode rotular a cerveja que ela venderá.

Engano. É necessário personalidade, expressão, marcar a bebida com algum detalhe, afinal, porque comprar uma cerveja Brazuca no mesmo preço de uma importada - mesmo com o Dólar nas alturas como hoje. Chega. Já rescrevi este parágrafo umas três vezes tamanha a indignação. Bierdosen: façam direito.
Faz um tempo que não publico na Bebideria. Desculpem, foi o atropelo de uma mudança de cidade no final do ano, mas que finalmente está totalmente equalizada. No entanto estamos aqui para falar de bebidas, comidas, viagens e afins...


Neste Sábado de Páscoa fizemos um pequeno roadtrip sem qualquer programação para o interior, aqui nos arredores de Blumenau, e visitamos Timbó que fica há uns 30 minutos daqui de carro - praticamente um bairro mais afastado. Rodamos um pouco e acabamos no Thapyoca Bar e Restaurante que fica ao lado do Museu do Imigrante de Timbó...



O local era um antigo moinho de imigrantes Alemães - inclusive com uma roda d'água em manutenção bem ao lado do Pub que só abre nas Quintas - bela encomenda para a Oktoberfest não acham? Enfim, lá tomamos um excelente chopp Weiss da Borck, de Timbó mesmo, que sequer deu tempo de fotografar pois a sede era grande. Mas a memória é persistente, o chopp era bem turvo, com pronunciado sabor de bananas e um pouco de baunilha - um espetáculo à parte.





Segue a dica para quem está passeando pela região e gostaria de tomar um chopp bem gelado ao lado do Rio Benedito.