Vinho e cerveja: proteção para problemas cardiovasculares

Um amplo estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Boston concluiu que o consumo, tando de cerveja quanto de vinho, são benéficos para a saúde. Porém, o consumo de bebidas destiladas não apresentou os mesmos efeitos observados. 

A pesquisa demonstrou que consumidos moderadamente, o vinho e a cerveja agem de maneira semelhante no organismo, principalemente na proteção contra doenças cardiovasculares. O estudo foi publicado no periódico European Journal of Epidemiology.


Com o cruzamento de 16 estudos diferentes sobre este tema, foi possível concluir que a ingestão de 21 gramas de álcool ao dia gera, em média, 31% de redução nas chances de desenvolver o doenças cardiovasculares. Já para o consumo de cervejas, a semelhança foi observada em 13 estudos anteriores, porém a ingestão diária de 43 gramas de álcool foi relacionada com 42% de proteção contra eventos cardiovasculares. 

Para as bebidas destiladas o estudo não identificou uma associação significativa para com a proteção cardiovascular.

Com isso, a  chamada 'curva em J' foi confirmada. Ou seja, as pessoas que não ingerem vinho ou cerveja têm poucos benefícios para com problemas cardiovasculares. Já, consumidos moderadamente, são extremamente benéficos. Porém, em excesso, se tornam excessivamente nocivos.


Novamente, esse padrão não foi observado em relação ao consumo de bebidas destiladas. Os pesquisadores imaginam que isso se deve ao fato de esse tipo de bebida estar mais relacionado a consumo excessivo, e não moderado.

Mas os resultados obtidos também não permitem especificar qual a substância presente nos vinhos e cervejas é benéfica ao organismos e protege contra problemas cardiovasculares, já que tanto nas cervejas e vinhos, quanto nas bebidas destiladas, os polifenóis e o alcool estão presentes.

Fonte: Veja
.